A primeira impressão é a que fica ???

Sexta, Sexta, Sexta-Feira … Chegou! Por mais que nosso encontro seja apenas na borda do final de semana , eu fico inquieto a semana inteira com o assunto que vamos falar. E aproveito para avisa-los que a partir de semana que vem nossa coluna #rogerinquieto será as quintas–feiras e prometo novidades, combinado? E também prometo que lembro vocês.

Na semana passada falamos sobre esta vergonha nacional da falta de critério na escolha dos “técnicos especialistas “ do governo que só assiste as desgraças e não fazem nada para previr! E falamos também do doce Novembro Azul e sua importância. Prometo que não vou falar hoje em Black Friday, pois na minha opinião o Brasil é o único país que tem este evento o ano inteiro e nada é tão barato assim!!! Enfim, o que eu gostaria de dividir com vocês é que estarei nesta sexta de manhã no Hospital das Clínicas doando sangue, pois pasmem este grande hospital público aqui de São Paulo muitas vezes só tem o estoque do dia. Quem puder ir será muito bacana, pois aproveitamos e tomamos um café na saída!

Bom, pretendo também neste espaço falar de algum interesse geral que possa colaborar com nosso amado Brasil varonil, sugestões são bem vindas sempre!!!

E bora falar da inquietação da semana, na lata: A primeira impressão é a que fica???

Hum… para dar uma pista do que eu penso do assunto me apoio em dois ícones, Coco Chanel que dizia para você estar sempre pronto que você pode encontrar seu destino e o mestre do teatro Stanislavski que dizia que a primeira leitura de um texto deve ser feita de maneira muito especial , pois é a que ficará.

Ah meu Deus! Se a deusa da moda e o papa do teatro dizem sim, então a resposta é sim!!!

Meus parceiros inquietos é tão difícil para eu mudar o que ficou registrado na primeira impressão…  Para quem não sabe, eu também sou publicitário e certa ver fiz um “retiro criativo” e dentre as inúmeras experiências que eu vivi uma delas foi quando um dos facilitadores assim intitulados, nos separaram em grupos e foi colocado em cada participante uma etiqueta na testa com uma característica que deveria ser feita nele, sem o que está recebendo a etiqueta saber, por exemplo: divirta –me, irrita –me, adule-me  e por aí vai … E em uma das pessoas era colocado uma etiqueta em branco, e lembrando que a pessoa não sabia o que estava na sua testa, e moral da história ninguém interagia com ela. Em quantas pessoas colocamos uma etiqueta em branco pelo primeiro contato que tivemos e elas não sabem!?!?

Alguns adoraram dizer que “meu santo não bateu com dele” santo? Será que às vezes não estamos fazendo alguma associação errada?

Acabou pingando na minha enchente de inquietações uma situação que todos nós vivenciamos que é a primeira entrevista de emprego. Como estar totalmente preparado para impressionar? E nós atores, quando temos apenas alguns minutos em um teste para convencer? Ou seja, resumir uma vida de estudos e experiências naqueles instantes.

Com relação a entrevista de emprego, eu tenho uma tese, que tem gente que de tanta entrevista que faz , vira um especialista nisso e conquista a vaga, mas não a sustenta. E quanto aos meus colegas atores se souberem alguma artimanha imploro ajuda, pois controlar o emocional é bem complicado!

Missão dada: Vamos pensar numa segunda chance?

You May Also Like

1 comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *